CÂNCER DE TIREOIDE

c2be95aa-85d4-46a1-8a45-0e3add06c241Dra. Maura Lucchesi
CRM nº 139736
No ENDOCARD NEWS de hoje, entrevista com DRA. MAURA LUCCHESI, médica atuante na área de ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA, discorrendo sobre CÂNCER DE TIREOIDE.

DOUTORA, O QUE É CARCINOMA DE TIREOIDE?
O carcinoma de tireoide é o câncer de tireoide, espécie que mais cresce em todo mundo. A partir de 2012 passou a figurar entre os cincos tipos de câncer mais comuns entre as mulheres, com aproximadamente 8.000 novos casos em 2014, de acordo com as estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

DOUTORA, COMO É DETECTADO ESSE CÂNCER?
Boa parte dos casos de câncer de tireoide pode ser detectado precocemente, antes mesmo de produzir sintomas que o paciente perceba. Qualquer exame de rotina, quando o médico palpa o pescoço do paciente, pode revelar a presença de um nódulo.
Como a maioria dos casos é entre mulheres, as consultas periódicas ao ginecologista que costumam detectar o tumor em seu início. E, muitas vezes, é o próprio paciente que percebe os nódulos.

DOUTORA, QUAIS SINAIS/SINTOMAS DESSE CARCINOMA?
Na maioria das vezes não há sintomas. Mas os mais sugestivos são:
– Nódulo no pescoço, que às vezes cresce depressa;
– Dor na parte da frente do pescoço, que às vezes irradia para os ouvidos;
– Rouquidão ou mudança no timbre de voz que não desaparece com o tempo;
– Dificuldade para engolir;
– Dificuldade para respirar (com a sensação de que se está respirando por um canudinho);
– Tosse que não para e não se deve à gripe.

DOUTORA, QUAIS OS FATORES DE RISCO?
Os principais fatores de risco são:
– Tratamentos com radiação para a cabeça, pescoço ou tórax, especialmente na infância ou adolescência;
– História familiar de câncer de tireoide;
– Um grande nódulo ou um nódulo com rápido crescimento;
– Idade superior a 40 anos.

DOUTORA, COMO O CÂNCER DE TIREOIDE É CONFIRMADO?
A ultrassonografia confirma a presença do nódulo. Ela detecta nódulos cada vez menores e ainda informa a quantidade.No entanto, para saber se ele é benigno ou maligno, o paciente deverá ser submetido a uma biópsia. A comprovação do câncer é feita com a punção aspirativa com agulha fina (PAAF), que consiste na introdução de uma agulha fina no nódulo e aspiração do conteúdo dele. O material é encaminhado a um patologista, que irá analisar as células colhidas e diferenciar se o nódulo é maligno ou não.

DOUTORA, QUAL O TRATAMENTO PARA ESTE TIPO DE CÂNCER?
O tratamento é dividido em três etapas, no caso dos carcinomas diferenciados, que são os tipos mais frequentes. Assim sendo:
– Remoção cirúrgica: chamada de tireoidectomia;
– Ablação da tireoide remanescente: esse tratamento consiste em ingerir uma pequena quantidade de iodo radioativo para destruir o tecido tireoidiano não removido pela cirurgia. O iodo radioativo também pode tratar o câncer de tireoide que se espalhou para os nódulos linfáticos e outras partes do corpo;
-Terapia hormonal supressiva: como essa glândula produz hormônios fundamentais para a manutenção da vida, torna-se necessário repor essa falta de maneira artificial. A reposição hormonal é feita com o hormônio tireoidiano T4 sintético (levotiroxina), tomado uma vez ao dia, em jejum.


Muito obrigada Dra. Maura, pelos esclarecimentos de grande importância e serventia, e também pela participação no Endocard News!!!

Dra. Maura Lucchesi faz parte do corpo clínico Endocard. Agendem já sua consulta!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *